Com big data, áreas de negócio ganham autonomia e descolam da TI

Dados são cada vez mais fundamentais nas empresas e a necessidade de tê-los, e entendê-los, exige outra relação com a TI

A necessidade latente da análise de dados por quase todos os setores das empresas tem ampliado a cada dia a autonomia das áreas de negócios e, consequentemente, desafogado as demandas que eram encaminhadas para a TI.

A relação entre estes dois setores hoje é muito mais de colaboração do que de dependência. De olho neste cenário, muitas empresas de desenvolvimento de softwares estão priorizando plataformas amigáveis, que concedam aos profissionais das áreas de marketing, vendas, finanças ou recursos humanos, por exemplo, a possibilidade de tratar seus dados, fazer análises e direcionar a tomada de decisão.

O trabalho agora é feito em torno de dados, compartilhando informações, experiências e projetos. Com estas novas soluções, em um passo a passo simples, o usuário pode inserir seus próprios dados, identificar o problema, criar indicadores, disponibilizar dashboards e usar uma rede colaborativa dentro da própria plataforma para resolver os problemas de negócio.

Os dados são explorados de forma mais inteligente, fazendo bom uso de tanta informação gerada, constantemente, por dezenas de relatórios e gráficos. Este empoderamento das áreas de negócios representa ganhos para a empresa, em diversas frentes.

Seja em produtividade, uma vez que há agilidade no processo de geração de análises, por exemplo, de forma que o gestor consegue tomar decisões em tempo real. Seja em aspectos financeiros, pois muitas destas ferramentas são gratuitas, com tempo de implantação mínimo e independem de mão de obra da área de TI para utilização.

Quando a área de negócios tem autonomia para fazer a gestão e análise de dados, os profissionais que atuam na TI conseguem se dedicar à função primeira, que é a de gerenciar a estrutura dos sistemas, sua manutenção e segurança, sem precisar ser acionada sempre que determinada área demanda um relatório.

As plataformas que conferem este acesso dão poder de análise para que as áreas de negócios possam transformar suas organizações através dos dados, e de forma acessível, rápida, simples e, principalmente, sem altos investimentos em hardware e software.

Em tempos de competitividade acirrada e luta constante pela sobrevivência do negócio, a autonomia para melhor análise de dados representa maior controle de informações, mais capacidade de interpretação de dados pelas áreas específicas, que podem tratar eventuais gargalos de forma pontual, com maior eficácia.

Essa eficiência já não pode ser mantida quando a empresa tem na área de TI a única forma de consolidar diferentes sistemas e controles para oferecer dados confiáveis e atualizados para análise.

 

Fonte: ComputerWorld

132